Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

… Até à lua

… Até à lua

desabafos que não posso ter contigo ...

O sabor de uma normalidade esquecida...

11.jpg

 Ontem foi um dia com um sabor a uma normalidade esquecida... Gostei tanto de te ouvir pedir para irmos jantar fora... Não há nada que pudesse estar a fazer que fosse mais urgente do que ir jantar fora contigo. Pediste-me para irmos jantar a um centro comercial, em tempos talvez reclamasse mas eu percebi logo que deverias estar a ressacar da visita habitual à Fnac. A única coisa que te pedi é que não fossemos ao fast food, primeiro, não queria que comeces "porcarias", segundo, não queria estragar aquele momento com o barulho infernal das pessoas em nosso redor. Dei-me ao luxo de pedir um copo de vinho…. sabes bem que para mim meio copo de vinho chega para relaxar … relaxámos os dois, porque estavas tão bem disposto que me encheste de uma alegria imensa. Senti que naquele momento foi- nos dado a experimentar de novo uma normalidade que nos foi roubada há 6 meses atrás quando "ele" voltou… para nos atormentar e roubar toda a tranquilidade que até aqui tínhamos conquistado. Demos as mãos, beijámo-nos como um casal apaixonado, tirámos fotos, rimos alto ( eu ri alto porque bem sei como te envergonhas quando fico demasiadamente efusiva) ... olhei para ti e foquei-me apenas nos teus olhos. Só eles me tranquilizam ou aterrorizam…. e ontem estavam brilhantes, com a cor de mel iluminada .Tudo foi perfeito à moda dos velhos tempos!

A habitual ida à Fnac ficou para o fim. Aconteceu da forma como acontecia sempre. Tu horas , a olhar as novidades, as não novidades … clássicos ou destaques tudo mereceu a tua atenção... a série que compraste do Seinfeld já tínhamos repetida em casa mas até isso é normal. Quantos são os DVDs que temos ainda com papel celofane porque estão repetidos e tu prometes sempre ir trocá-los e nunca cumpres…

 

 

Não escrevi este post logo ontem, deixe-o para hoje porque só quis aproveitar o momento, não me quis distrair da felicidade que nos foi concedida ainda que por momentos.

Obrigada, meu DEUS.

Marlene Barreto Frazão