Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

… Até à lua

… Até à lua

desabafos que não posso ter contigo ...

Serenidade e aceitação num caminho feito a dois

27.jpg

 

Tenho andado com a cabeça a mil, preocupada com uma série de questões além de todo o nosso contexto já habitual. A consulta com o cientista alemão já está marcada para dia 31 de Março ou seja na próxima semana - feira. Não será diretamente com o professor Wick mas sim com o professor Plattam, que é praticamente a mesma coisa. Trabalham juntos em Heildenberg, no mesmo laboratório e debruçam-se juntos sobre as mesmas experiências… tento não pensar muito no que vai acontecer por lá para não ficar ansiosa, penso unicamente nos dias de descanso que se DEUS quiser vamos ter. Quero aproveitar para namorar e ser muito feliz contigo. Já programei começar o meu livro nesta viagem, sinto que é o momento ideal, estou mais serena e sobretudo mais conformada. Não fiques triste ao achar que me resignei a toda a situação e que vou vivê-la como espectadora ao teu lado… não é isso, acredita que não. Mas a única forma de sermos felizes é ACEITAR o que nos foi proposto, aceitar que este caminho é nosso e que temos de percorrê-lo os dois lado a lado. E se um dia o Universo nos uniu na mesma missão é porque tinha um objetivo muito concreto, seja ele qual for, estou aqui para vivê-lo ao teu lado, lutando tudo o que houver para lutar mas sem nunca esquecer de ser feliz. Tenho me esforçado imenso por te passar essa felicidade, alegria , muitos sorrisos diariamente. Só eles nos permitem, não digo esquecer, mas distraír-nos do que realmente nos inquieta. Esforço-me diariamente por Aceitar esta realidade que não posso mudar, sem me vitimizar, sem criar expectativas de nada e entregando a DEUS o nosso destino mas tentando dar um significado novo a cada dia que passamos juntos. Rezo, rezo muito para que Deus nos dê força para fazer este caminho, seja ele qual for e agradeço pelos dias bons que temos tido. Sinto-te mais estável. Tenho adorado ouvir-te falar… o teu discurso está mais eloquente, a afasia quase que não se nota, vejo-te com energia embora haja dias mais tristes, eu sei. E tens todo o direito a eles… dói-me o coração quando te vejo assim mas o que posso fazer eu meu DEUS? Apenas dar-te mimos, muitos beijinhos, muitas festinhas nas orelhas, que sei que adoras, e não deixo por dizer o quanto és importante para mim. É a única coisa que posso fazer por ti neste momento meu anjo e tenho pena disso :( Do resto, só o Universo se tem o poder.

Numa altura em que nada mais importa que tu, o teu bem-estar, confesso que ando preocupada com as economias. Por enquanto não falharam mas a verdade é que o tempo vai passando e elas vão-se gastando. Há 9 meses que perdi o meu foco no trabalho para viver contigo esta luta, perdi os meus clientes habituais, deixei de parte os meus contactos e agora vejo-me um pouco perdida sem saber bem como pegar a minha vida profissional a partir do ponto em que estava. Tenho reflectido muito sobre isso e a questão é: será que quero pegar do ponto onde estava? Será que não quero fazer um pouco mais por mim do que fiz antes? Descobri o quanto sou capaz de fazer por quem me rodeia mas também descobri que sou capaz de fazer muito pouco por mim própria. Aprendi tanto nestes meses, vivi tão intensamente, encontrei em mim um ser humano diferente do que julgava ser, com tantas inseguranças, traumas , fraquezas mas que tem tanto para dar, para comunicar…. Questiono-me se o que fiz até aqui profissionalmente é o caminho que quero continuar a seguir, se a forma como lutei pelo que sempre quis está correcta… porque na verdade acho que nunca lutei de verdade, de corpo e alma. Sempre tive uma enorme dificuldade de dizer aos outros o que quero de verdade , é para mim difícil estar numa posição de fragilidade e dizer que preciso de ajuda para concretizar os meus objetivos. Não queria mais adiá-los. Sempre vivi entre duas grandes paixões a apresentação e a representação. Se alguma certeza sempre tive na vida era o que queria fazer profissionalmente mas ao mesmo tempo sinto que nunca fui sincera comigo própria , nunca fui até às últimas consequências para o conseguir. Na verdade sempre acreditei no meu talento, achei que não seria difícil que reparassem em mim mas estava totalmente enganada. Fui ingénua ao achar que não é preciso mais  do que talento e vontade. Claro que é! É preciso admitir que precisamos de nos expôr e aceitar que isso é normal. Durante 5 ou 6 anos neguei a mim própria parte dos meus sonhos porque tu eras quem eras, realizador de uma das maiores produtoras do país. Tive medo de admitir porque me poderiam apontar o dedo, tive medo, fui cobarde. Só para se perceber bem o ridículo da situação, até à bem poucos anos não sabias que tinha uma formação de 3 anos em teatro que já tinha feito peças como " A casa da Bernarda Alba", " Eletrico chamado Desejo" , " Precisosas Rídiculas"... com o Beto e  Mónica e que deixaram tantas saudades . E o que é que ganhei com isso? Um enorme frustração. 6 anos ...  
Tenho 30 anos e o tempo está a passar ,  e eu não fiz de tudo para concretizar os meus sonhos… 
Bem mas nem tudo são coisas más, descobri como toda esta vivência me abriu um novo caminho. Como todos os dias vivo alguma coisa que grita cá dentro para ser comunicada. O preconceito, o pouco ou nenhum apoio familiar na doença, os direitos dos doentes, as terapêuticas alternativas, os ensaios clínicos e novas investigações, novas esperanças … são tantas as mensagens que queria fazer passar. Adoraria ter o meu próprio programa de televisão de apoio ao doente.Não estou a falar apenas do Cancro, mas de uma imensidão de enfermidades que afectam milhões de pessoas em todo o mundo.  A doença faz parte da vida, e sinto que as pessoas não estão despertas até lhes acontecer. Quero usar a nossa experiência para fazer um pouco mais por quem precisa.  Quer ser a voz, a esperança, as certezas e as incertezas dessas pessoas. Deus queira que tenha oportunidade para isso, um dia!
Mas por agora só preciso de trabalhar…. 
Já encontrei a nossa nova casinha. Não é luxo mas vamos sentir-nos bem nela.É aqui pertinho e tem todas as condições que procurava a um preço aceitável. Nesta altura o teu conforto é o mais importante. Entre as milhares de dúvidas que surgiram neste processo todo e que hão de continuar a surgir , aquilo que de facto importa é que estou a aprender o caminho do coração e e só peço luz e serenidade para me manter neste trajeto, desperta e atenta aos sinais do coração. 
 
 
Amo-te até à lua. 
 
Marlene Barreto Frazão