Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

… Até à lua

… Até à lua

desabafos que não posso ter contigo ...

... uma gratidão imensa que não me cabe no peito.

dr lobo antunes 2.jpg

 

Pode parecer ousadia mas hoje sinto o peso de mais uma “despedida”: partiu o Dr. Lobo Antunes, fiquei a saber à pouco…e doeu muito . Não só por ser o Homem, o Médico, o Ser Humano que sempre será, mas por me sentir  eternamente grata a ele ( sou apenas mais uma)… Grata de uma gratidão imensa que não acabará NUNCA . A ele agradeço o dia em que atendeu o meu desespero. Agradeço a prontidão, a exatidão, o profissionalismo exímio com que nos recebeu . A ele agradeço, aquela sexta-feira no Hospital da CUF (privado), em que viu a tua primeira ressonância magnética.  Agradeço a quarta-feira seguinte em que nos recebeu no Santa Maria (público) e te entregou às mãos do Dr. Domingos Coiteiro. A ele agradeço a forma pragmática (como ele era) com que encaminhou o homem da minha vida para aquela que é melhor equipa de neurocirurgia deste país - não desfazendo a competência de nenhuma outra ( a sua equipa médica do Hospital de Santa Maria). Agradeço a luz ao fundo do túnel num início que durou 7 anos ao em vez de 12 meses.  Agradeço o prolongamento de tantas vidas como se da minha se tratasse. 
Como disse antes, é de uma gratidão tão imensa que não me cabe no peito…. 
Passados 7 anos,  de tratamentos, cirúrgias, rotinas de hospital, lembro-me bem de o ter visto numa cadeira sentado lá no hospital e ter pensado: “ Como queria ter coragem de lá ir para lhe dar um abraço e, simplesmente, agradecer”… Não tive essa coragem e arrependo-me. Arrependo-me de não ter agido com o coração, com a emoção. Arrependo-me de ter deixado a minha mente boicotar-me. Não tive coragem. Talvez por achar que ele não se lembraria de mim, achar um absurdo o meu gesto de impulso … não tive coragem, essa foi a verdade…. Depois disso, saí do Hospital e não aguentei lidar com esse sentimento ( como sempre acontece quando algo muito importante deveria ser feito e dito, e não o é ). Engasgada com aquela emoção, mandei uma mensagem  à sua filha Paula e pedi, desesperadamente, que o transmitisse. Caramba, só queria dizer : “OBRIGADA” do tamanho deste mundo e do outro. Sei que a mensagem foi transmitida, e sim, sei que ele nunca esqueceu o casal “ Morangos com Açúcar” - como carinhosamente nos chamou - que lhe entrou pelo consultório a dentro …. 
Hoje as lágrimas caíram-me quando soube desta triste notícia: Partiu o Dr. Lobo Antunes, como respeitosamente sempre o chamámos. Partiu aquele que um dia, eu e tu chamamos de “nosso salvador”. Apetece-me chorar. Não de tristeza , mas de Orgulho por este senhor ter existido na minha, nas nossas e na vida de tantos ….. 
Este é um momento de dor gigante , de uma dor insuportável para todos os que estavam do seu lado (família de sangue, amigos e família profissional). Desde já todo o meu pesar, todas estas palavras são para eles. Que privilégio, que sorte que lisonja fazer parte do núcleo forte deste Ser Humano incrível… todos os que o rodearam aprenderam grandemente. Família, amigos, colegas, pacientes e cuidadores ( dos quais me incluo). Os seus ensinamentos, a sua busca, a sua pesquisa, o seu interesse, as suas descobertas imensuráveis … proporcionarão a qualidade de vida de muitas pessoas que neste mundo, só querem um pouco mais de “vida”.
“Não vamos assassinar a esperança”, oiço dizê-lo através da boca de outros que o seguiram e que o continuarão a seguir de olhos fechados sem nunca duvidar um segundo da sua mensagem. Podemos assassinar tudo, mas “Não vamos assassinar a esperança”. 
 
OBRIGADA, é o que me cabe dizer neste momento. 
 
Marlene Barreto Frazão 
 
PS: O dia 27 ( de um mês qualquer)  já não é um dia fácil, e hoje torna-se mais pesado ainda. 

1 comentário

Comentar post